Bem Vindo, visitante! [ Entrar | Cadastro ]
Contos Eroticos » Incesto » Finalmente Comi a Buceta e o Cuzinho da Minha Irmã

Finalmente Comi a Buceta e o Cuzinho da Minha Irmã

Publicado em fevereiro 1, 2020 por HolyGurl

Jane arruinou uma noite de cinema perfeitamente boa com uma exclusivamente enunciação. “Tu eu devíamos ter um recém-nascido juntos.”

Finalmente Comi a Buceta e o Cuzinho da Minha Irmã

Sufoquei-me na minha Sprite, dei-lhe uma vista de olhos, alcancei-lhe o copo de Vinho diz: “pronto, acabou-se o vinho para ti.”Peguei no copo de Vinho levei-o para o altura da minha mesa de moca.

“Jack, estou a falar de verdade.”Jane diz sentado recta. Ela tinha estado a resfolgar as pernas no meu pescoço se inclinava para trás um dos braços do novo sofá que eu tinha comprado há um mês. “Devíamos ter um recém-nascido juntos. Tu eu.”

Sentei-me a camurça suave do sofá dobrei os braços. “Não somos casados.”Eu diz. Ela estava a falar de verdade? Ela queria mesmo ter filhos comigo? Por quê?

A Jane riu-se reposicionou-se para ser capaz pôr os pés no meu soalho de madeira. ” também não estamos no século XIX. Não prosseguirei ser apedrejado até à morte por ter um fruto fora do casório, nem prosseguirei ser envergonhado, há varias mães solteiras por aí no planeta. Os tempos mudaram, Jacky-Boy.”

Barranco-me do som da minha cognome. Foi-me oferecido por uma mestra de campina de descanso que eu a Jane tivemos estávamos no 6º ano. A cognome tinha ficado presa a Jane ainda a usava para me provocar. “É justo, porém nós também não namoramos.”Eu respondi:” Eu Não tenho se a maior parte das mulheres estão alinhando para ser mães solteiras você está saindo temperado de sua separação com Eddie. Esta é uma situação bastante complicada.”

A Jane acenou. “É verdade, porém tenho 29 anos continuamente pensei que me casaria agora.”Ela suspirou. “Perdi tanto tempo com o Eddie. Se eu soubesse que não ia a lado nenhum, teria terminado as coisas mas cedo. Devia ter concluído mas cedo. Após eu o Eddie acabarmos, tirei qualquer tempo para meditar no que quero na vida no que tenho de fazer para lá chegar. Apercebi-me que com o estado novo da minha curso onde estou financeira mentalmente, estou pronta para ter um fruto.”

Desliguei o filme. O Donnie Yen os bandidos com quem lutava teriam de aguardar, esta foi definitivamente uma interlúdio séria. Jane seu ex-, Eddie, namoraram por por volta de três anos. O Eddie, para todos e cada um dos efeitos, era um gênero de porreiro. Este gostava de estar ao espaço de forma livre, de fazer escalada ou de estar na cervejaria sítio ou no “gastro pub”. O Eddie tinha uma personalidade extrovertida que era crucial para tirar alguém como a Jane da valva ela prosperou estava com este. Desgraçadamente, este também gostava de foder raparigas que não eram a namorada dele. A Jane não descobriu até o ter apanhado a meio do broche no meio da leito que partilhavam. Isso foi há mais ou menos um ano, a Jane mudou-se após desenredar. Ela ficou comigo mais ou menos três meses até descobrir o seu próprio apartamento, não bastante longe do meu. Depois disso, iniciamos a transpor quase todas e cada uma das semanas. Nós, cozinhar, trabalhar fora, juntos, ir a restaurantes, observar a filmes em vivenda ou nas salas de cinema, transpor para caminhadas ou falar sobre nossos planos de agora em diante, classes de coisas que amigos fazem juntos.

Não foi? Quanto mas pensava nessa situação, mas parecia que aqueles três meses a sobreviver com a Jane eram mas amantes do que amigos. A exclusivamente diferença era que eu não tinha sido íntimo da Jane. Eu queria ser?

Eu tirei esses pensamentos da minha carola me concentrei na tarefa em mãos”logo, deixe-me ver se entendi, você possui pensado em ter um rebento por uma semana?”

“Não, eu tenho pensado em ter um rebento por por volta de um par de anos agora, eu só precisava estar em um lugar onde eu estava inabalável o suficiente de antemão de tentar. Eu tinha bastante que evoluir para fazer” Jane retorted,

Acenei com a testa. “Huh, ok”

Tinha de concordar com ela. A Jane mudou bastante no último ano. Não só tinha sido promovida no seu lugar de trabalho. O conduta dela também tinha desfigurado. Onde ela já foi silenciosa retraída, ela estava agora mas ocasião social, fazendo piadas engajando-se em conversas. Onde ela já foi introvertida, preferindo passar os fins de semana assistindo televisor ou jogando jogos de vídeo, ela agora estava planejando ativamente hangouts informações. Na realidade, as nossas noites de cinema mensais foram teoria dela. O Eddie definitivamente teve um efeito positivo nela nesse intensidade. É pena que este fosse um idiota que não conseguia sustentar a pila longe de outra senhora.

“Tenho pensado em ter um fruto contigo a partir de julho do ano pretérito, percebi que eu o Eddie não tínhamos porvir.”Jane afirmou, matter-of-factly.

Pestanejei. Tanto tempo?

“Não é que não tenhas pensado nessa situação.”Ela diz.

“Ter um recém-nascido contigo?”Ecoei a tentar sustentar a calma. Bebi um bicada da minha gasosa. “Não me passou pela carola.”Embora eu estivesse naquela idade quando eu tinha que filosofar em botar ter filhos, o pensamento honestamente nunca tinha pretérito pela minha mente. Eu namorei tive relacionamentos, lógico, porém nenhum deles durou. A última relação séria que tive foi há mais ou menos três anos que acabou problema.

“Não ter um recém-nascido comigo.”Diz a Jane a agitar a moleira. “A fazer sexo comigo. Já vi como olhas para mim. Os olhares para o meu peito o meu rabo pensas que não reparo.”Ela passou os dedos por cima do peito. As suas dicas francesas manicures traçaram um caminho através do seu decote chamando a minha atenção para a pele branca pálida do seu peito o espalhamento de marcas de formosura através dele. Senti um pulso de luxúria a pulsar pelas minhas partes íntimas o meu batimento cardíaco acelerou em antecipação. Isto estava mesmo a suceder?

Era verdade. Estaria a mentir se dissesse que não fantasiei como seria o sexo com a Jane. Quem não o faria? A Jane era maravilhosa. Magra pequena, com uma rosto em forma de coração cabelo preto longo que passou em cascata pelos ombros. Ela tinha pernas longas muito formadas, um presente de anos a passar a caminhar, juntamente com um rabo tão tonificado que se podia praticamente tirar um quarto dele. Para o momento, ela estava a utilizar um top azul recém-nascido um par de calções de ganga com os bolsos a saltarem por grave do quesito de incisão. Olhei longamente para a palor suave das pernas dela.

“De acordo, porém justificativa eu?”Eu diz.

Ela encolheu os ombros. “Não és feia, és inteligente, és decentemente realizada, vens de uma boa família tens um bom coração.”

problema aproximado?

“Obrigado, acho eu.”Eu diz com um sorriso. Não me considerava particularmente belo. Tentei sustentar-me pronto com o cabelo pequeno. Trabalhei ao menos três dias por semana. Um par de dias de pesos um dia de exercícios de boxe asseguraram-me que estava magro em forma. Namorei tive relações acima, porém de infindável. Na maior número dos dias, eu estava ocupado no trabalho, a vida de um engenheiro de programa significava que longas noites eram passadas diante de um computador ou escrevendo código ou testando código.

A Jane deslocou-se, levantando as pernas para cima do Sofá. “Não foi isso que quis expressar. És um gênero de maravilhoso. um teria sorte em ter-.”Ela diz, inclinando-se colocando uma mão na minha bochecha. De tão perto, senti o cheiro do perfume dela. Baunilha misturada com flores. Foi intoxicante. Ela nunca tinha empregado perfume nas nossas noites de cinema, tinha estado constantemente a planear isto? Respirei o cheiro dela senti o meu batimento cardíaco a açodar.

“A Lisa foi uma idiota por fazer o que fez.”A Jane murmurou sob a respiração.

Senti uma facada de dor no meu coração pela fácil menção do nome do meu ex–marido. Porém essa dor foi velozmente apagada os seus dedos, macios macios, viraram a minha carola para a enfrentar. Os meus olhos castanhos encontraram os dela. Os seus olhos eram também castanhos tremiam de susto, excitação luxúria.

“Sei que pensaste em fazer sexo comigo.”Ela murmurou enrolando os braços detrás do meu pescoço. “porque pensei o mesmo de ti.”

O ósculo me pegou de surpresa, tinha pretérito tanto tempo a partir de que eu tinha sido íntimo com um que eu tinha esquecido o quão bom ósculo se sentia. O sabor dos seus lábios, a suavidade do seu corpo pressionado o meu ela se movia para me pendurar o sofá. Derreti no ósculo. A sensação de proximidade os nossos lábios se pressionavam uns os outros. A sensação o cheiro da minha melhor amiga ela me segurava se mudava comigo. A Jane suspirou as minhas mãos se moveram para as dorso dela aproximaram o corpo dela, pressionando o meu. Senti a suavidade do peito dela recostar-se ao meu peito, uma sensação que me fez percorrer o coração. A Jane respondeu aprofundando o ósculo abrindo a boca para permitir o chegada à minha língua. As nossas línguas misturavam-se desenraizavam-se umas com as outras explorávamos o sabor o sentimento uns dos outros. Ela tinha um sabor gula aguado, com o menor toque de laranjas. Possívelmente do sumo de laranja.

A Jane gemeu suavemente se moveu mim, desfazendo os seus lugares mas íntimos as minhas virilhas. A exclusivamente coisa que separava os 2 eram pequeno número de pedaços de pano, os meus calções as calças dela. Absoluto pelo lona dos meus calções, senti-me a evoluir até ao mastro completo em segundos. Jane gemeu suavemente balançou-se mim, dando-me uma lap dance rude. Movi as minhas mãos para cima da curva das costado dela enrolei o cabelo dela à viravolta da minha mão tal e como se fosse uma corda. Com um puxão suave, ela ficou em choque eu puxava a carola dela para trás para longe dos meus lábios. Eu desci para o pescoço exposto dela Jane ofegou profundamente eu comecei próximo o caminho pelo seu pescoço com lambidelas beijos. Saboreei o sabor dela, salso do seu suor amargo da sua loção. Continuei a descer até ao embaraço da coleira dela para lamber a nuca.

“Tomada.”Jane suspirou com um sussurro que problema podia ser visto. Sua voz tinha assumido uma qualidade husky, referto de luxúria libido. “Tomada.”Ela ofegou de novo, desta vez mas elevado.

Ignorei os seus suspiros continuei até ao peito dela, a Jane não era de modo alguma busty ou voluptuosa, porém ainda gostava de ser capaz de reprofundar a minha moleira no decote dela devastá-la com a minha boca. A sua fragrância, o seu paladar estava a esmigalhar os meus sentidos, a conduzir a minha luxúria a novas alturas. Não me fartei, porque continuei a adorá-la com a língua. A suavidade da pele, os sons sensuais que ela fazia com qualquer ósculo, Lamber ou morder. Ela ofegou – se eu beijava o extremidade dos seus seios, alternando entre peitorais macios, longas pestanas da minha língua mordidelas suaves na músculos macia. As minhas mãos começaram a enrolar lentamente a camisola dela para cima, primeiro expondo o ventre, depois as costelas por último os seios do soutien.

A Jane desligou-se de mim tirou o resto da camisola. O porta-seios dela não era sensual tentador, a sua função era mantê-los no lugar. Um soutien fácil que não tinha renda nem remotamente atraente, porém era a persona que estava a utilizar que me excitava. Jane, a minha melhor amiga nos últimos 10 anos, meia nua a abraçar-me. Eu tomei um instante para tomar em sua figura, o ventre magra plana, a curva suave de suas quadris, a mácula cinza de um girassol correndo pelo lado esquerdo de suas costelas, terminando unicamente na sustentação de seus seios. Admirava o tamanho dos seios dela, aparentemente maior graças ao soutien. Bebi na sua fisionomia, já tinha visto a Jane de biquíni de antemão estava acomadrado com o tamanho receita dos seios dela, porém isto era alguma coisa novo excitante. Agora podia olhar para ela sem me sentir estranha. Reparei em particularidades sobre o corpo da Jane que nunca vi nas nossas viagens de praia. O espalhamento de pequenas marcas de formosura marrom no peito dela ou a Minúscula mácula vermelha de uma marca de nascença no ombro dela.

Fiquei a olhar para o top enrolado nas mãos da Jane, ainda não acredito que isto estava a suceder. Ela atirou-o para o lado fez-me um sorriso diabólico que fez o meu coração apressar enviar sangue para o meu pénis. Mergulhei de viravolta, beijando a curva método dos seios dela, tão tentadoramente macia. A Jane ofegou-se pressionou a minha moleira as mamas dela, segurando-me lá os venerava com a boca a língua. Lentamente, agonizadamente lentamente, eu enrolei o fundura do corpete dela para cima revelando o seu peito por grave. Os mamilos dela eram pequenos Castanhos, a cor do chocolate de leite. Continuei a roçar – lhe os seios, a respeitar a mesocarpo sedosa a suavidade maleável do seu tamanho. Parei pouco de antemão da minha língua chegar ao mamilo dela, em vez disso, deixei a minha língua traçar círculos à viravolta da sua aréola, desvelo para não a tocar no mamilo elevado do seu mamilo. Ela gemeu em protesto colocou duas mãos na secção de trás da minha carola tal e como se tivesse susto que eu parasse com as minhas ministrações orais. Por último cobri – lhe o mamilo com a boca rodopiei a língua à girata da suporte do mamilo, desvelo para não tocar no filhote. Ela ofegou em resposta pressionou minha testa com mas força seus seios.

“Jack”, ela suspirou, estava a obsecrar ou a lamuriar? “Tomada.”Dedos enrolados em derredor do meu cabelo, aguentando-me nos seios dela.

Puxei a minha língua velozmente o mamilo dela, alternando entre morder suavemente o filhote, amamentando a mesocarpo escurecida lambendo a músculos endurecida. Repeti o meu movimento no outro peito dela, adorando qualquer secção dos seus seios. As mãos da Jane taparam-me os 2 lados do queixo ergueram-me a testa para cima. Os nossos lábios voltaram a achar-se, o ósculo desta vez foi mas enamorado, menos luxuoso, beijei-a como um amante, meu paixão. O meu coração brilhou a minha língua se esmagou ela. Estava alegre. Estava a roçar a Jane. Jane, a minha melhor amiga nos últimos 10 anos. A rapariga que esteve comigo quase minhas primordiais marcos da vida. Com quem eu tinha estudado, caminhado, jantado. Jane que chorou nos meus braços teve o seu coração partido. Jane, que tinha aplaudido a minha mãe me licenciei em engenharia, que tinha ficado acordada comigo durante longas sessões de estudo noites sem dormir. Jane que agora estava meia nua de insignificante para cima a roçar-me tal e como se fossemos amantes que se conheciam intimamente há anos.

Como pude ser tão cego durante tanto tempo?

A Jane tirou-me da minha borracheira borracheira ao lascar o ósculo. Os meus lábios de repente sentem-se vazios sem os dela. O nosso olhar descobriu-se o tempo parou por um segundo. Ela inclinou-se para perto de mim mordiscou-me o lóbulo da ouvido, a névoa quente da sua respiração, a entregar-me arrepios na poste.

“É a minha vez.”Ela sussurrou-me ao ouvido. Eu quase cheguei lá.

Ela desceu a roçar-me o pescoço arranhava a minha camisa com as unhas, com rafa de mas. Respondi de modo bondosa, baixando as mãos pelas espinhaço apalpando – lhe o rabo com as duas mãos. Jane purred approvvingly, her teethingly deep into my neckbone, unfully leaving marks. As mãos dela mergulharam Debaixo da minha t-shirt para me acariciarem o peito. “Porque é que a tua camisa ainda está vestida?”Jane murmurou, suas mãos desesperadamente tentando tirá-lo do meu corpo.

Peguei na pista, tirei a camisa atirei-a na mesma direcção quando a Jane tinha atrevido a camisola. A Jane mordeu-lhe o lábio subalterno ao ver o meu corpo sem camisa. Mergulhou no meu pescoço, beijando-se, lambendo mordendo, as mãos acariciavam o meu corpo. Tento sustentar-me em forma, passar uma vez por semana elevar pesos um par de vezes por semana. A Jane aprovou claramente, não conseguia descontinuar de me tocar. “Foder.”Murmurei, ela desceu para tocar o meu peito.

Frenético, quebradiço, mãos apertadas no botão na secção de cima das minhas calças, desfazendo-o com uma falta de jeito que não esperava da Jane. Ainda não conseguia pensar que isto estava a ocorrer. Ela por último conseguiu desapertar o botão o fecho que seguravam as minhas calças juntas, com as mãos a agarrarem-se a elas para obter a minha pila endurecida.

Gemi elevado as suas mãos macias ampararam o meu eixo libertaram-no dos seus confins. A Jane caiu para a na frente de no meu peito corria com as mãos para cima para insignificante. “Foder. Se soubesse que estavas a empacotar isto, ter–ia dito mas cedo.”Sussurrou – me ao ouvido, a sua voz rouca enxurro de luxúria.

Levantei as ilhargas deixei-a tirar o resto dos meus calções. A Jane puxou-os para os meus tornozelos, afundando-se de joelhos o fazia. Agora ela estava faceta face com a minha pila. Já vi pornografia suficiente para descobrir que a minha masculinidade não era precisamente a maior do planeta, porém também já tive associados sexuais suficientes acima para descobrir que também não sou bastante pequena. Apesar disso, de antemão da pequena figura da Jane, eu parecia monstruosa. “Foda-se, tens uma bela Pila.”Ela diz, Suas mãos lentamente correndo para cima para insignificante do meu comprimento. Eu ofegava – me com a suavidade das mãos dela a escorregar o meu eixo de quando em quando, ela parava no pináculo esfregava o polegar sobre a testa bulbosa da minha pila. Ela mudou-se para cá deu-me um beijinho suave com os lábios, eu tremia de abalo. Ao ver a minha reacção, a Jane ficou mas ousada passou a língua agonizadamente lentamente pelo comprimento da minha pila, parando no altura do cogumelo da minha moleira. Estava tão teso pronto.

“Sabe tão muito.”A Jane gemeu de antemão de me pregar na boca dela.

A suavidade da boca dela era quase exagerado para eu suportar quase explodi na boca dela naquela profundidade lá. Eu tinha lido algures que o pano dentro da boca é semelhante ao pano na vulva. Seria logo que seria foder a Jane? Ela não me deu a possibilidade de ponderar esse pensamento me levava qualquer vez mas para dentro da boca dela. Ela manteve a boca fechada à viravolta da minha pila, enrolando a língua à girata do eixo a chupava com a boca. A Jane andou para cima para insignificante a todo o meu comprimento, a levar-me para o altura da boca dela a qualquer mergulho. Ela respirava fundura caiu em cima de mim na gorgomilos dela, eu quase cheguei lá acolá. A sensação da minha pila estar enrolada à viravolta dos musculos da gasganete, o calor suave a passagem escorregadia da goela dela estava a enlouquecer-Me. “Foda-se.”Arfei, as minhas mãos ampararam-lhe a nuca para sustentar a pila alojada no esófago. A tensão era insuportável, sentia qualquer pedaço da gorgomilos dela à viravolta da minha pila.

Segurei – a lá mas tempo do que esperava, aguentando a testa firmemente nas minhas mãos ela se engasgava no meu comprimento. Eventualmente, Jane bateu sua mão o meu joelho, sinalizando desesperadamente para mim que ela estava fora de espaço, eu liberei o controle que eu tinha em sua moleira. A Jane freed soltou lentamente a gorgomilos fundíbulo arrancou-lhe a boca da minha pila, um único fio longo de seiva precum ainda estava ligado aos lábios dela à minha carola de Pila. Gemi à vista puxei a Jane para me roçar, não me importando que a boca dela tivesse sido enrolada à viravolta da minha pila. As nossas línguas voltaram a dançar os meus dedos tentavam desesperadamente desarranjar o botão dos calções dela. Os meus dedos cederam a tentar desapertar o botão de cima, apalpando-o desesperadamente. Eu precisava dela. Eu queria-A. Não fazia teoria do quanto queria a Jane até Esta noite. Todas e cada uma das vezes que saímos, cozinhávamos juntos, comíamos juntos, só estávamos juntos, como pude ser tão cego durante tanto tempo?

Jane gentilmente colocou uma mão no meu peito se afastou. “Deixa-me.”Ela sussurrou. Ela virou-se, espetou este e aquele os polegares na cintura dos seus calções puxou-a para inferior, dobrando-se para me entregar uma boa Vista do rabo dela o fazia. O meu hálito ficou recluso no peito vi a tanga vermelha da Jane o rabo perfeito dela. Ela virou-se deu-me um olhar tão deliciosamente perverso luxuoso que fez a minha pila tremer nitidamente.

“Gostas do que vês?”Ela perguntou, virando – se para me enfrentar. Ela agora estava praticamente nua, a utilizar excepto a tanga vermelha da lacey. Acenei com a moleira, fiquei com a respiração presa na gorgomilos. Nunca imaginei que estaria numa situação destas. A Jane sorriu ao ver o meu nervosismo. Ela deu uma pequena girata a mostrar-me o corpo. Respirei profundamente ao vê-la, tão formosa. Jane deixou a tanga desabar no pavimento avançou lentamente, caminhando na minha direcção a um ritmo agonizante lento. Observei qualquer um dos seus passos, admirando a sua pele lisa de alabastro pernas torneadas.

“Felizmente, porque usei isto só para ti.”Jane diz, ela prendeu seus polegares debaixo das correias de sua tanga brincou com eles alguma coisa, me provocando sobre o que estava esperando por mim embaixo. “Queria que me quisesses.”Ela continuou a progredir. Ela lambeu a mão apertou o meu pescoço, os seus dedos delicados ampararam-se ao meu pau, agora com tanta força que foi praticamente doloroso.

331 views

Contos relacionados

Irmã Fudida No Rabo Como Deve Ser Feito

Este é o terceiro último capítulo da série. As duas primeiras histórias são: uma lavada vocal tornar-se um dos seus filhos. Obrigado por ler. Espero que tenham gostado.   acordei...

LER CONTO

Irmão e meia-irmã gostosa sozinhos em casa

A minha mãe morreu eu tinha 10 anos. O pai eu vivemos sozinhos durante anos após ela passar. O pai não namorava bastante, porém ocasionalmente encontrava alguém saía. este conheceu Francine eles...

LER CONTO

Mamãe Gostosa Ensinando Filha A Transar

O rosto de Sophia foi enterrado em seu telefone ela passava pelas fotografias das redes sociais de seus amigos respondia a comentários sobre suas viagens passeios por toda a cidade. Ela passou o...

LER CONTO

Mãe Ensina Filho Transar Dando a Buceta Dela

A Janey sentou-se avante do fruto na mesa da cozinha, a vê-lo a engolir o jantar surfava no telemóvel. Ela abriu a boca para falar várias vezes, porém voltou a um silêncio pensativo depois...

LER CONTO

0 - Comentário(s)

Este Conto ainda não recebeu comentários

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 1 + 1 = ?
© 2020 - Contos Eroticos